Exclusivo T.50 é a mais recente criação de Gordon Murray


Com um estilo inspirado no McLaren F1, a Gordon Murray Automotive desenvolveu um dos automóveis desportivos que oferece uma melhor relação peso / potência. Destaque ainda para a curiosa ventoinha na traseira que tem a função de melhorar a carga aerodinâmica.

A mais recente criação de Gordon Murray acaba de ser revelada e demonstra que o projetista do McLaren F1 não deixou os seus créditos por mãos alheias.

Denominado T.50, tem um peso de apenas 986 kg (menos do que um Mazda MX-5) e está equipado com um motor atmosférico V12 de 4,0 litros que oferece uma potência máxima de 654 cv e um binário de 467 Nm.

Em termos de imagem é difícil não deixar de vislumbrar algumas semelhanças com o McLaren F1. Ambos possuem uma dianteira pronunciada e tomadas de entrada estreitas nos cantos. O pára-brisas arredondado, os vidros amplos nas portas e os painéis isentos de arestas no teto transmitem uma imagem arejada.

O chassis e a carroçaria são fabricados em fibra de carbono, contribuindo para o baixo peso deste veículo. O monocoque e os painéis exteriores pesam menos de 150 quilogramas.

A ventoinha de 400 mm montada na traseira é uma das caraterísticas mais singulares do T.50. Esse componente pode atingir as 7000 rpm, sendo acionada por um motor elétrico de 48V.

A sua missão é trabalhar em conjunto com as asas traseiras ativas e os difusores para aumentar a carga aerodinâmica em 50% em situações de condução normal e até 100% no modo de travagem.

Este sistema de efeito-solo também funciona para incrementar o débito de ar no motor e permite aumentar a potência do motor em cerca de 49 cv.

Em termos de dimensões exteriores, o T.50 tem um comprimento de 4,352 m. Isto significa que tem menos 2,7 cm do que o Porsche 718 Cayman (4,379 m).

O motor resultou de uma parceria entre a Cosworth e a Gordon Murray e pode chegar às 12.000 rpm. Este propulsor está associado a uma caixa manual de seis velocidades.

O habitáculo também evoca o universo da Fórmula 1. O banco do condutor está localizado no centro, enquanto os dois bancos restantes estão nas extremidades. Os comandos mais importantes estão localizados em bases, localizadas em cada um dos lados do volante. Os pedais são em titânio.

Para garantir a posição de condução ideal, cada comprador tem uma reunião com a Gordon Murray Automotive para uma configuração individual da regulação do banco, do volante e dos pedais.

A Gordon Murray pretende produzir apenas 100 unidades do T.50, custando cada unidade (antes de impostos) cerca de 2,61 milhões de euros (2,36 milhões de libras).

A produção deve arrancar em janeiro 2022 e haverá uma rede de assistência baseada em Abu Dhabi, no Japão, nos Estados Unidos Unidos e no Reino Unido.

Para os restantes mercados, haverá um “mecânico voador” para dar assistência técnica do McLaren T.50

Por: Revista Turbo pt

Postagens mais visitadas deste blog

Nova Toyota Hilux 2021

Toyota Corolla Cross: novos flagras dão base para projeções do futuro SUV nacional

O mistério do Suzuki Jimny de 5 portas que ninguém viu