Pular para o conteúdo principal

Aston Martin DBS Superleggera, o melhor de sempre!

Para Andy Palmer, Diretor Executivo da Aston Martin, o novo DBS Superleggera, sucessor do Vasnquish, é “o melhor super GT da atualidade”. O responsável máximo pela Aston Martin sabe tudo de automóveis mas é “suspeito”. Mesmo sabendo que a marca britânica é capaz de tudo e que o ponto de partida tecnológico é a estrutura do DB 11, damos razão a São Tomé: “ver para crer!”.

E o cenário não podia ser mais desafiante: a famosa Alpenstrasse, na Baviera. Curvas que parecem ter sido desenhadas por verdadeiros apreciadores da condução – ou por engenheiros que querem comprovar a eficácia dos chassis que desenvolvem. Com as montanhas formar um cenário que parece saído de um filme, Miles Nurnberger garante que “o Superleggera é uma combinação perfeita de tudo aquilo que é mais importante num GT. É belo, tem proporções perfeitas e a implantação mecânica respeita aquilo que é fundamental para o comportamento: motor colocado entre o eixo dianteiro e o habitáculo, numa posição mais baixa para favorecer o centro de gravidade, caixa de velocidades na traseira, para possibilitar uma distribuição de peso de 51% na frente e 49% na traseira. Estrutura em alumínio de alta resistência, combinado com diversos elementos em fibra de carbono, para assegurar uma elevada rigidez torsional, vias largas (mais cinco milímetros do que o DB11) e suspensão com triângulos sobrepostos”.

A estrutura é, no essencial, herdada do DB 11, embora a utilização em maior escala de elementos em fibra de carbono tenha permitido uma redução do peso em 72 kg. Como o V12 de 5,2 litros viu a potência passar de 600 cv para 725 cv, graças ao aumento da pressão dos turbos para 2.0 bar, o resultado é uma relação peso/potência de 2,34 kg/cv, contra 2,95 kg/cv do DB11. Tanto quanto o incremento da potência, o aumento do binário para 900 Nm (disponível entre as 1800 rpm e as 5000 rpm) ditou a necessidade de utilização de uma nova caixa de velocidades da ZF que, além de mais robusta é, também, mais rápida, contando com uma relação final da transmissão mais curta. Tal permitiu diferenciar, de forma mais nítida, o desempenho em cada um dos modos de condução. No modo GT a resposta do motor e a firmeza da suspensão têm em conta um bom compromisso entre conforto e dinâmica. Já no modo Sport o amortecimento é mais firme e o motor é mais reativo. Por fim, no modo Sport Plus surge a exuberância que imaginamos num desportivo com 725 cv.

Para os mais habilitados, existe a possibilidade de desligar totalmente o controlo de tração e de estabilidade. O equilíbrio do chassis, bem como a correta afinação da direção muito direta (2,4 voltas entre topos) manifestam-se agora de forma clara, bem como a importância do sistema de vectorização do binário e do diferencial autoblocante que é do tipo mecânico.

Para ajudar a explorar o elevado apuro mecânico o DBS Superleggera foi objeto de cuidados especiais ao nível da aerodinâmica, garante-nos Miles Nurnberger. “Aprendemos muito com o projeto Valkyrie, bem como com o nosso envolvimento na Formula 1”. Como exemplos, aponta o tratamento do fundo plano e carenado, com a colocação de defletores e extratores em locais selecionados, bem como as fendas no capot, na zona das rodas, que permitem canalizar para o exterior os turbilhões de ar que normalmente aí se formam e que são responsáveis pela instabilidade a alta velocidade.

O destaque principal vai, porém, para o defletor traseiro que aproveita da melhor forma o ar canalizado pelo interior da carroçaria, gerando um “downforce” de 180 kg à velocidade máxima. É esta a principal justificação para a elevada estabilidade direcional e para a incrível velocidade em curva.

Responsável por um desempenho dinâmico de referência o trabalho realizado no túnel de vento tem, também, uma relevância terminante para algo que não é menos importante num Aston Martin e num GT: o absoluto conforto a bordo. A este respeito vale a pena destacar que o DBS Superleggera prossegue a melhor tradição da marca britânica. Os bancos dianteiros são agora de maiores dimensões e garantem o apoio total do corpo, sem comprometer o conforto, enquanto na traseira continua a ser possível alojar duas crianças. Relevante, também, é a qualidade dos materiais (quase todo o interior está revestido com couro) e a combinação da atmosfera requintada e ao mesmo tempo desportiva que desde sempre caracteriza a Aston Martin.



Mais visitados

BMW 320i 2019

A nova BMW 320i 2019 chega às lojas com novidades e mudanças, graças a nova geração. A série 3 da BMW, é a linha de entrada dos carros de luxo dos modelos sedan da montadora alemã BMW, e está sendo produzida já há seis gerações. Mas o mais curioso da BMW série 3, é que os carros que a compõem vão desde o sedan mais comum como é mais conhecido no Brasil, a BMW 320i, até um carro com performance esportiva que também compõe a linha ”M” da BMW, que é a linha esportiva da montadora, a BMW M3.

A BMW 320i, é um sedan muito desejado, até mesmo na sua geração anterior que por ter um preço menor, é procurado pelos clientes para que possam ter o prazer de dirigir uma BMW.
Na nova BMW 320i 2019, o motor vai ficar mais potente, que assim como a BMW X1, terá versões com o xDrive, que é a tração 4×4, e nos modelos sem esse recurso, a tração será traseira, uma ótima notícia para um carro como esse. O modelo 2019 também terá uma carroceria completamente diferente, mais leve, e mais aerodinâmica, garantin…

Mitsubishi Outlander PHEV renova-se para 2019

Disponível no mercado brasileiro somente com motorizações a gasolina e turbodiesel, o Mitsubishi Outlander conta com uma configuração híbrida de carregar na tomada há mais tempo no ativo acaba de se renovar, mas por enquanto só lá fora. À renovação conta com novos faróis de nevoeiro e uma grelha com maior personalidade, mas no entanto, a renovação é mais profunda do que parece. Há um novo motor 2.4 a gasolina, agora com ciclo Atkinson, e um novo motor elétrico no eixo traseiro. O motor elétrico dianteiro mantém-se inalterado. Toda a eletrónica foi revista com o objetivo de melhorar a experiência de condução. A suspensão também foi afinada, tal como a direção, agora mais ligeira e agradável de utilizar em cidade. Uma nova bateria com 13,8 kWh aumenta a velocidade máxima do modo EV para os 135 km/h e permitindo uma autonomia de 35 km no modo elétrico. Dados de potência, torque e desempenho, porém, ainda não foram divulgados.A nova linha do crossover híbrido da Mitsubishi será apresentada …

Bugatti Veyron

O Bugatti Veyron Super Sport não é o carro de produção mais rápido do mundo. De acordo com o Guinness World Records, o modelo infringiu uma regra quando quebrou o recorde, em 2010. É que o modelo vendido pela marca é diferente do modelo que atingiu os 431 km/h. Para o público, o carro é oferecido com um limitador de velocidade, que restringe a velocidade máxima em 415 km/h. “Como o limitador de velocidade do carro foi desativado, esta modificação foi contra o regulamento oficial. Consequentemente, o recorde de 431,072 km/h não é mais válido”, declarou Jaime Strang, diretor de relações públicas do Guiness, ao jornal britânico The Sunday Times. Já a Bugatti discorda da decisão e disse que os carros são equipados com limitador de velocidade apenas por segurança. 
O Hannessey Venom GT deverá assumir o posto de carro de produção mais rápido do planeta. O esportivo alcançou a marca de 427 km/h em fevereiro e foi, inclusive, com este número que a preparadora entrou com um pedido oficial reivi…

Suzuki New Jimny será apresentado no salão do automóvel

A chegada da nova geração não aposenta o modelo atual - eles vão conviver no mercadoEnquanto isso não acontece, o novo Jimny (que ainda não foi lançado em nenhum mercado do mundo) deverá ser oferecido como importado.
Segundo fontes, o jipinho deve ser apresentado no Brasil no Salão do Automóvel, em novembro.

Sua chegada não aposenta o modelo atual (foto).

O plano da fábrica é manter os dois modelos 4×4: um como Jimny e outro como New Jimny. 

A produção em Itumbiara havia sido encerrada em 2015 em uma reestruturação da empresa. 

À época, a linha de montagem foi transferida para a fábrica da Mitsubishi, em Catalão, a 207 km dali.

Novo SUV C4 Cactus Nacional

Fabricado em Porto Real (RJ), o novo SUV disputará mercado entre os compactos Visual exterior idêntico ao europeu (Divulgação/Citroën)
A Citroën revelou nesta segunda (07) as duas primeiras imagens do novo C4 Cactus nacional. O SUV será fabricado em Porto Real (RJ) e chega às lojas no segundo semestre. A marca não revelou detalhes do modelo, mas, segundo o jornalista Marlos Ney Vidal, do site Autos Segredos, o C4 Cactus nacional usará os mesmos motores 1.6 do Peugeot 2008, aspirado (até 122 cv) e turbo (até 173 cv).
A diferença é que, ao contrário do “irmão”, o C4 Cactus terá câmbio automático de seis marchas também na versão topo de linha THP. Isso permitirá um posicionamento de preços superior ao Peugeot, que atualmente vai de R$ 72.990 a R$ 87.190.
C4 Cactus nacional ganhou uma grade do radiador maior, para melhorar a refrigeração em climas quentes, e perdeu, ao menos na versão fotografada, sensores de estacionamento laterais e o teto-solar panorâmico. Também não se sabe se o modelo…